Orlando critica portaria que permite escravismo no Brasil

Brasília, quarta-feira, 6 de dezembro de 2017 - 12:59

TRABALHO

Orlando critica portaria que permite escravismo no Brasil


Por: Iberê Lopes

Portaria do trabalho escravo quer evitar “danos à imagem dos envolvidos”, aponta Advocacia-Geral da União. Comunistas condenam a permissividade da nova regra que permite subjetividade na avaliação das condições de trabalho.

Richard Silva / Ascom PCdoB na Câmara
Não cabe "subjetividade" na avaliação do trabalho escravo, critica Orlando Silva (PCdoB-SP)

A alteração no conceito de trabalho escravo (portaria 1.129/17) foi tema de audiência pública com o ministro Ronaldo Nogueira na manhã desta quarta-feira (6) na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público. A nova regra foi suspensa pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 24 de outubro por restringir a fiscalização e estar divorciada da realidade.

Segundo a portaria, características como "jornada exaustiva" e "condição degradante", para serem aceitas, dependeriam da privação da liberdade do trabalhador, o que, de acordo com os deputados que pediram a audiência, contraria o que diz o Código Penal.

Para a ministra Rosa Weber a redação é “restritiva” por estar distante da compreensão contemporânea sobre o trabalho escravo, “amparada na legislação penal vigente no país, em instrumentos internacionais dos quais o Brasil é signatário e na jurisprudência desta Suprema Corte”, argumentou no ato da suspensão da medida.

O presidente da Comissão do Trabalho, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) criticou a portaria e afirmou que mais de 20 projetos de decretos legislativos foram elaborados para suspender o documento. “Não se trata de um caso eventual, um acontecimento fortuito. Algo que de repente apareceu num canto ou noutro. Trata-se de um fenômeno que existe na sociedade brasileira, e que por isso merece todo o cuidado, toda a atenção”, ressaltou Orlando.

Para o parlamentar o escravismo fez parte da formação histórica e social do Brasil e foi combatido por diferentes lideranças políticas. “Fernando Henrique Cardoso que criou um grupo de trabalho para combater esta prática foi responsável por cerca de seis mil resgates. Com o presidente Lula, entre 2003 e 2010, foram 33 mil resgates”, disse.

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira afirmou que o objetivo da portaria sobre o trabalho escravo era orientar processos na pasta e não impedir a fiscalização. "A portaria tema sua competência no âmbito do Ministério do Trabalho no sentido de dar ao auditor fiscal do trabalho direcionamento e melhorar a instrução nos processos administrativos", explicou durante audiência na Comissão do Trabalho da Câmara.

"Nossa intenção na elaboração da portaria era trazer para os autos do processo as respectivas provas, o registro do boletim de ocorrência para que no ato se instaure um processo criminal para que seja levada à responsabilização penal que têm esse comportamento inaceitável para o século XXI", completou Nogueira. De acordo com o ministro, quem submete uma pessoa à situação indigna laboral precisa ser responsabilizado criminalmente.

De acordo com Orlando Silva, a preocupação com é que o Código Penal Brasileiro foi modificado há pouco tempo para explicitar o que vem a ser condições análogas à escravidão. “Isto foi escrito na lei para evitar a subjetividade. Trata-se de um tema que o Brasil tem compromissos internacionais, tem uma trajetória e é uma referência internacional. E qualquer mecanismo que possa inibir o pleno cumprimento do necessário combate ao trabalho escravo esta Comissão tem de estar alerta”, criticou o presidente da Comissão do Trabalho.

O Ministério Público Federal e o Ministério Público do Trabalho também pediram a revogação da medida. E a Organização Internacional do Trabalho (OIT) disse que o texto ameaça interromper uma trajetória de sucesso que tornou o Brasil uma referência no combate ao trabalho escravo.

A Advocacia-Geral da União defendeu, nesta terça-feira (5), a portaria editada pelo governo Temer, salientando que o texto trouxe “maior clareza, objetividade e segurança jurídica” e tinha a intenção de considerar casos de “infrações trabalhistas menos gravosas”. Para o governo, a nova regra evita que ocorram “excessos na tipificação de condutas, os quais podem gerar sérios danos à imagem dos envolvidos”.

Portaria do trabalho escravo

De acordo com a portaria nº 1.129 de 2017, para ser considerada condição análoga à de escravo é preciso que o trabalhador esteja em condição de submissão "sob ameaça de punição, com uso de coação, realizado de maneira involuntária".  O texto gerou reações contrárias de entidades como a Organização Internacional do Trabalho (OIT), da Procuradoria-Geral da República (PGR) e do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda).

Com Agência Câmara









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com