Comunistas criticam “balanço positivo” da gestão Temer

Brasília, quarta-feira, 16 de maio de 2018 - 11:35

POLÍTICA

Comunistas criticam “balanço positivo” da gestão Temer


Por: Christiane Peres

Enquanto o emedebista diz que "recuperou o Brasil", parlamentares do PCdoB elencam retrocessos dos dois anos de governo Temer.

Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil
Temer apresenta balanço de gestão a aliados

No último dia 12, o governo ilegítimo de Michel Temer completou dois anos. À época, o emedebista havia assumido a Presidência da República interinamente, enquanto o Parlamento analisava o processo de impeachment contra Dilma Rousseff. Certo de que não sairia do cargo, Temer deu início então a mudanças nos rumos do governo, dando início à sua “Ponte para o Futuro”.

Passados dois anos do golpe contra Dilma, Temer é desaprovado por 82,5% dos brasileiros e coleciona uma lista de retrocessos, que, para ele, compõem uma “agenda positiva para o Brasil”. Em artigo publicado na Folha de S.Paulo, nesta terça-feira (15), Temer elencou dados e números que mostram um Brasil que não parece real. Em sua autoavaliação, o presidente diz que “recuperou o Brasil”.

“Em 24 meses, recuperamos a Petrobras, o Banco do Brasil, os Correios, a Caixa Econômica Federal; elevamos o PIB a patamar positivo, melhoramos a gestão pública, ajudamos estados e municípios; reformamos leis e instituições”, descreve o artigo. 

Para o líder do PCdoB na Câmara, o deputado Orlando Silva (SP), a única verdade divulgada por Temer é que o Brasil voltou 20 anos em 2. "O governo Temer é o do desmonte nacional, aquele que aniquilou os instrumentos de crescimento do país, como a taxa de juros de longo prazo do BNDES, que permitia o financiamento do desenvolvimento nacional. O presidente ilegítimo destruiu os direitos trabalhistas e não gosta dos aposentados. Derrotamos Temer ao barrarmos a Reforma da Previdência", destacou Orlando. 

Na avaliação da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Temer tenta enganar a população e sua gestão, até agora, só beneficiou banqueiros. “Para o povo são dois anos de muita desgraça. Não há nada de positivo no teto de gastos, que congelou por 20 anos os investimentos em saúde, educação, infraestrutura, segurança; não há nada de positivo na Reforma Trabalhista; ele fala em redução dos juros, mas nós temos a maior taxa de lucro para os bancos. Esse balanço de Temer não é real, é fantasioso”, alertou.

A senadora lembrou ainda que a agenda atual do emedebista conta com a tentativa de entregar o país, com a privatização da Eletrobras e suas distribuidoras, além do desmonte da Petrobras. “Hoje fica claro que o golpe que eles deram foi contra o povo”, disse.

A vice-líder do PCdoB na Câmara, deputada Alice Portugal (BA), enfatizou que esses dois anos foram de grandes perdas para os trabalhadores e para o Brasil. Alice lembrou da agenda privatista de Temer, e afirmou que a população pode colocar um fim a ela nas eleições de outubro.

“É uma falsidade esse discurso de Temer, assim como falso é o seu governo. Esses dois anos foram de derrotas e perdas de direitos, de entrega do patrimônio nacional. Sem dúvidas, Temer é o piloto do maior retrocesso democrático desses últimos 30 anos. Mas espero que a população passe a borracha nesses dois anos em outubro”, disse.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com