As grandes vítimas da reforma da Previdência

Brasília, segunda-feira, 18 de março de 2019 - 11:5

OPINIÃO

As grandes vítimas da reforma da Previdência


Por: Renildo Calheiros

  

Em um país com ampla desigualdade social como o Brasil, onde as mulheres ainda mantêm dupla jornada, a reforma da Previdência proposta pelo governo federal prejudica especialmente o grupo composto por pobres, mulheres, trabalhadores e trabalhadoras rurais, e professores e professoras. O projeto retira benefícios sociais conquistados e de uma maneira geral reduz os valores das aposentadorias, inclusive com a previsão de pagamentos inferiores à metade do salário mínimo em alguns casos.

Grande parte dos trabalhadores será obrigada a contribuir por um período maior, pois a exigência de tempo mínimo passará de 15 para 20 anos. Além disso, para receber 100% do valor da aposentadoria é necessário colaborar por 40 anos. Para muita gente, a proposta do governo Bolsonaro representa o fim do sonho de uma aposentadoria com as mínimas condições para uma vida digna.

Ao dispensar do recolhimento do FGTS e da multa rescisória de 40% empresas que optarem pela contratação de aposentados, determinar o cálculo de benefícios com base na média de todas as contribuições do trabalhador (atualmente é feita uma média das 80% maiores contribuições) e quando não aponta mecanismos para incentivar a formalização do trabalho, o governo atual demonstra o desinteresse em garantir direitos e melhorar a vida das trabalhadoras e trabalhadores e se mostra pactuado com os interesses do setor financeiro.

A regra de concessão do abono salarial, conhecido como 14º salário e pago pelo Pis/Pasep, exclui quem ganha entre um e dois salários mínimos, parcela numerosa da sociedade e prevê pagamento apenas para quem recebe até um salário. Com isso, idosos pobres entre 60 e 70 anos receberão benefício equivalente a 400 reais.

O projeto cria também o sistema de capitalização, paraíso para os bancos e as seguradoras. A capitalização individual, proposta pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, significa que cada trabalhador terá uma conta para depositar valores ao longo da vida. Mas, ao considerar a situação financeira de grande parte da população brasileira, sabemos que poupa quem tem. Como o projeto não deixa claro se haverá participação dos contratantes para assegurar mais recursos de reserva ao trabalhador, a maioria dos trabalhadores enfrentará dificuldades na velhice.

Caso semelhante como ocorreu no Chile. Após a implementação da reforma previdenciária, o país passou a apresentar baixos índices de aposentadoria. Hoje os idosos mal conseguem garantir sua sobrevivência e o país apresenta índices altíssimos de suicídio. Esse é o sistema injusto proposto para o Brasil.

E não para por aí. Atualmente, além de garantir a aposentadoria, é o INSS que protege o trabalhador brasileiro quando ele se acidenta. Com as mudanças propostas, grande parte da população será obrigada a migrar para a previdência privada, enfraquecendo o INSS. Dessa forma, fica difícil enxergar segurança jurídica e assistência digna para essa grande parcela do povo. Fica clara a intenção de dificultar o acesso a aposentadoria e limitar à quantia recebida pela pequena parcela trabalhadora que conseguir aposentar.

Consideramos que a Nova Previdência é a não aposentadoria. Empobrece os idosos, impede a maioria pobre e as mulheres de se aposentarem. Fere o direito dos trabalhadores.

*Deputado federal por Pernambuco e ex-líder da Bancada do PCdoB na Câmara.

 









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com