Espaço aéreo: Temer antecipa a pauta de Bolsonaro

Brasília, terça-feira, 18 de dezembro de 2018 - 17:54

OPINIÃO

Espaço aéreo: Temer antecipa a pauta de Bolsonaro


Por: Eron Bezerra*

Richard Silva/PCdoB na Câmara
Deputado do PCdoB Amazonas analisa entrega de espaço aéreo a estrangeiros

A edição de uma Medida Provisória permitindo que os estrangeiros tomem conta de nosso espaço aéreo revela o quanto o governo Temer está sintonizado com a política a ser adotada por Bolsonaro a partir de janeiro de 2019.
Na mesma direção se insere a decisão de deportar o ativista italiano Cesare Battisti que, pela constituição do país e a nossa tradição, jamais poderia ser alcançado por ter filho brasileiro, afora o status de residente que lhe foi conferido pelo presidente da república.

São medidas que antecipam o clima e o humor do futuro governo, cujas primeiras medidas já começam a ser lançadas pelo seu antecessor, em absoluta sintonia programática.

A abertura do espaço aéreo nacional para que empresas estrangeiras possam adquirir 100% de qualquer empresa aérea no Brasil expressa a absoluta falta de compromisso do atual e do futuro governo com os interesses nacionais e a nossa soberania.

Em qualquer lugar do mundo o espaço aéreo, como os demais meios de transporte, tem caráter estratégico e, por obviedade, sofrem restrições de atuação estrangeira. Restrições que não são de natureza econômica e sim por razões geopolíticas. Afinal, é um setor extremamente sensível e vulnerável. Não por acaso, tanto os profissionais do espaço aéreo quanto marítimo ou fluvial são catalogados como forças de reserva da aeronáutica e da marinha de guerra do Brasil. E assim é no mundo inteiro.

A partir de agora menos no Brasil, porque a nova equipe econômica pretende fazer do país um novo laboratório de experiências da política ultraliberal que eles pretendem experimentar.

Tais experiências, por serem nocivas aos interesses nacionais e profundamente anti-povo, só podem ser aplicadas, a rigor, sob a tutela de um governo autoritário, conforme preconizava Friedrich Hayek em O Caminho da Servidão, publicado por volta de 1943.

Não por acaso a pregação de Hayek e sua confraria de Mont Pelerin (Friedrich Hayek, Frank Knight, Bertrand de Jouvenel, Karl Popper, Ludwig von Mises, George Stigler e Milton Friedman), não conseguiu ser colocado em prática nos anos 40/50 nem na Europa e tampouco nos Estados Unidos da América que, embora desejassem, não poderiam esmagar direitos de seus trabalhadores enquanto a União Soviética socialista ampliava crescentemente esses direitos. Seria um erro tático e político crucial. Esperaram.

No auge da guerra fria, quando as ditaduras militares começaram a ser impostas mundo afora, só então a teoria de Hayek e de sua confraria puderam ser colocadas em práticas. Antes era impossível. A sua teoria se baseia num fervoroso anticomunismo e a tudo que cheire a progresso, bem como na defesa aberta do desmonte dos estados nacionais e da supressão de todo e qualquer direito social dos trabalhadores.

O Chile, da sanguinária ditadura Pinochet, foi escolhido como laboratório experimental dessa alquimia. Para lá foi então despachado o americano Milton Friedman, encarregado de aplicar a receita de Friedrich Hayek.

No auge dos governos progressistas experimentados na América Latina e especialmente no Brasil ninguém se orgulhava de ter participado da barbárie chilena. Mas agora, com a derrota dos governos progressistas e a vitória da extrema direita no Brasil, esses personagens começam a sair das sombras.

E é quando se tem conhecimento de que o Sr. Paulo Guedes, futuro ministro da Economia de Bolsonaro, foi um desses alquimistas a operar, sob o comando desse pensamento nefasto, o desmonte do estado chileno e a cruenta repressão que se abateu sobre os trabalhadores. É disso que estamos falando e é contra isso que devemos nos preparar para lutar, mesmo diante de uma realidade momentaneamente adversa.

Não nos dispersemos na perfumaria, convenientemente espalhada para nos atrair para o debate secundário enquanto eles preparam o assalto final.

* Deputado federal pelo PCdoB-AM. Professor da UFAM, Doutor em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia, Coordenador Nacional da Questão Amazônica e Indígena do Comitê Central do PCdoB.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com