Parlamentares apontam descaso como fator-chave para incêndio do Museu Nacional

Brasília, quarta-feira, 5 de setembro de 2018 - 11:13

TRAGÉDIA

Parlamentares apontam descaso como fator-chave para incêndio do Museu Nacional


Por: Ana Luiza Bitencourt

Para eles, falta de investimentos em infraestrutura e manutenção aliadas às falhas de gestão foram determinantes para a tragédia ocorrida no último domingo (2).

Reprodução da Internet
60 horas após o início das chamas, fumaça ainda saía dos escombros

O último final de semana deixou um gosto amargo para os brasileiros que apreciam e valorizam a cultura e a história do país. Na noite de domingo (2), um incêndio de grandes proporções tomou conta do Museu Nacional, no Rio de Janeiro, destruindo a estrutura interna e o acervo do local, que contava com mais de 20 milhões de itens.

Na terça-feira (4), em pronunciamento no Plenário da Câmara, deputados lamentaram o ocorrido e se solidarizaram a funcionários que contribuíram com afinco ao longo dos anos para formar e manter a história do Brasil viva. Os parlamentares também apontaram a omissão e o descaso por parte das autoridades em relação à cultura do país.

Jandira Feghali (PCdoB-RJ), vice-líder da Minoria na Câmara, chamou atenção para a falta de recursos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFFRJ), que administra o museu, e salientou que isso foi fator determinante para a tragédia ocorrer.

A deputada sempre teve o patrimônio cultural como foco de atuação, sendo uma das idealizadoras da Comissão de Cultura da Casa, e sua primeira presidente. Para ela, a cultura é pauta emancipadora, transformadora, estruturante da cidadania e da mudança das relações de vida entre as pessoas e das pessoas com o mundo.

“Quando entrou esse governo sem voto, a primeira atitude foi acabar com o Ministério da Cultura, que só voltou por causa do movimento Ocupa Minc. Depois, veio a emenda de congelamento constitucional de recursos, que impediu investimentos básicos na área. Os deputados que aqui estão e votaram por sua aprovação são cúmplices desse incêndio criminoso. Isso foi um crime político”, apontou.

Parlamentares ainda lembraram que a tragédia estava anunciada por laudos que atestavam o comprometimento da estrutura do prédio de 9 mil metros quadrados. A Procuradoria-Geral da República (PGR) já havia comunicado ao Estado do Rio de Janeiro a necessidade de uma averiguação, inclusive pelo Corpo de Bombeiros.

O incêndio do Museu Nacional culminou na destruição de grande parte do patrimônio cultural brasileiro, afetando sua história e sua identidade. A Unesco (Agência das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), o governo francês e a National Geographic Society (NatGeo) oferecem apoio para a reconstrução do prédio de 215 anos, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Segundo Gary Knell, diretor-executivo da NatGeo, a entidade pode oferecer, além do auxílio financeiro, parte de seu acervo, focado na história natural e antropologia. O Museu contava com diversos setores, como geologia, paleontologia, botânica e arqueologia – que incluía a maior coleção de arte egípcia da América Latina.

Na manhã desta quarta-feira (5), a fumaça ainda saía dos escombros. Os bombeiros seguem de plantão no local. Especialistas de Brasília auxiliam os agentes da Polícia Federal no Rio na investigação das causas das chamas.









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com