Entrega da Eletrobras é prioridade de Temer

Brasília, quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018 - 15:47      |      Atualizado em: 21 de fevereiro de 2018 - 19:46

SETOR ELÉTRICO

Entrega da Eletrobras é prioridade de Temer


Por: Iberê Lopes

Sem perspectiva de aprovação da reforma da Previdência, governo intensifica pressão no Congresso Nacional para aprovar a privatização da Eletrobras. Oposição promete resistir ao desmonte do setor elétrico brasileiro.

Reprodução da internet
Setor elétrico está na mira das privatizações do desgoverno Temer

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu abertamente a privatização do setor elétrico brasileiro nesta quarta-feira (06). Ele promete acelerar a apreciação do projeto que permite a venda das ações da Eletrobras (PL 9463/18), prevendo a conclusão até abril deste ano. A equipe econômica de Michel Temer prevê arrecadar cerca de R$ 12 bilhões.

“Temos toda uma preocupação de, até abril, autorizar a venda das ações da Eletrobras somada com a possiblidade a tender essa grande preocupação com o Nordeste de se financiar a revitalização do rio São Francisco", disse o presidente da Câmara.

A afirmação de Maia se deu em reunião com a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmen Lúcia. Ocupando interinamente a Presidência da República, ele se encontrou com a presidente da Corte para tratar de temas de interesse do Congresso Nacional e do Poder Judiciário.

Já existe um pedido formal para a constituição de Comissão Especial, inclusive para indicação de membros, que analisará a entrega do setor ao capital estrangeiro. A pressa para o debate foi criticada pelo deputado Davidson Magalhães (BA). Ele falou sobre o desmonte no setor energético brasileiro promovido pelo governo ilegítimo de Temer.

“O sistema elétrico é vital, não pode ser transformado num instrumento lucrativo para empresas. Nós estamos falando em 45% do fornecimento, da transmissão e do transporte de energia no nosso país. A privatização do sistema de distribuição, por exemplo, terminou por prejudicar o Brasil. Temos uma das energias mais limpas do mundo e tarifas caríssimas em função do sistema de privatização”, alertou Davidson.

A estratégia da oposição será incluir nos textos a convocação de um referendo para decidir sobre a privatização da Eletrobras e suas subsidiárias e controladas. A proposta foi aprovada em novembro (PDC 948/01) pela Comissão de Consistuição e Justiça, mas falta ser analisada pelo Plenário.

O líder da Minoria, José Guimarães (PT-CE) afirmou, em entrevista coletiva no Salão Verde nesta segunda-feira (5) que a privatização da Eletrobras será “o foco principal do enfrentamento político ao governo”.

Ícaro Chaves, do sindicato dos urbanitários do DF, defende ampla discussão durante a campanha eleitoral deste ano. Ele afirma que a energia elétrica é um produto insubstituível e que todos devem pagar preços acessíveis, o que pode mudar caso a Eletrobras seja entregue para a iniciativa privada.  

“Se não houver a participação do Estado, você não tem garantia de que vai ter novos investimentos, ou a garantia de que não vai haver uma combinação de preços. Então como é que o consumidor pode se defender de um cartel se não houver empresas estatais atuando no mercado, de forma a regular o mercado? Por isso, na maioria dos países do mundo, as pessoas tratam a energia como um setor estratégico", ponderou.

O Tribunal de Contas da União (TCU) solicitou a realização de auditoria no processo de privatização da Eletrobras. Vital do Rêgo, presidente do TCU pretende verificar se o valor previsto com a privatização (R$ 12,2 bilhões) está próximo do tamanho real da estatal.

O modelo de privatização da Eletrobras ameaça o caráter público da empresa, pois torna a corporação sem controlador definido. O aumento de capital sem o acompanhamento da União poderá diluir a participação do Estado ao ponto de perder o controle.

O tema é objeto de uma medida provisória (MP 814/17) que chegou a ser suspensa pela Justiça e do Projeto de Lei 9463/18. A não ser que seja aprovada urgência para votar a matéria ir direto ao Plenário, o projeto ainda deverá passar pela análise das comissões, que terão novos presidentes eleitos a partir das negociações entre as lideranças partidárias.

Com Agências









Últimas notícias

Notícias relacionadas

Sobre nós
Contatos

Área Restrita
Login
Liderança do PCdoB na Câmara dos Deputados
Praça dos Três Poderes, Câmara dos Deputados, anexo II, sala T-12
Brasília-DF - 70160-900 - Telefone: 55 (61) 3215-9732
ascompcdobcd@gmail.com